Desde 1858 Ela nos esperava
Acesse sua conta Login
Faça parte Cadastrese!
Arautos do Evangelho
Arautos Podcast contato Contato Rezem por mim
  Livro Dr Plinio de Mons João Clá

Desde 1858 Ela nos esperava
Angela Maria Tomé - 2008/11/05

Atravessar os escarpados Pirineus em direção à França, especialmente durante os meses de outono, é uma experiência verdadeiramente inesquecível. O colorido da vegetação varia numa miríade de tons amarelos, dourados, vermelhos, marrons, verdes.

A vista da atraente configuração das montanhas aí colocadas por Deus, dos verdadeiros tapetes de grama que bordejam as íngremes encostas, dos altos picos com recortes que desenham mil figuras ajuda a alma a distanciar-se de seus problemas corriqueiros e elevar-se. Na verdade, esses belos panoramas favorecem o vôo da alma, convidando- a a se tornar mais contemplativa.

LOURDES_RAE 14_PAN.jpgNão foi, entretanto, para admirar a beleza dos Pirineus que o grupo de peregrinos no qual eu estava incorporada empreendeu essa viagem. Tínhamos um objetivo bem superior: íamos em busca de belezas sobrenaturais, íamos a Lourdes.

Quanto mais nos aproximávamos da cidade-santuário, mais se afirmava em nós a certeza de que a Santíssima Virgem nos esperava. Era o fim de uma longa espera, que se iniciou em 1858, quando Ela apareceu, e na luz divina contemplou os milhões de almas que viriam visitá- la. Chegara finalmente a nossa vez.

Depois de nos desvencilharmos das bagagens, saímos para o Santuário. O local amplo, bem-arranjado e limpo convida a andar rápido, para apressar o momento do encontro.

Mas aos poucos e sem perceber, fomos diminuindo os nossos passos. Chamava nossa atenção o silêncio profundo do local. À direita e à esquerda, grandes cartazes em diversas línguas começavam a fazer ouvir na alma as palavras de Maria: Rezai e fazei penitência pelos pecadores . Ide beber na fonte, lavai vossa face e Deus purificar á vosso coração.

Se alguém tiver sede, venha até Mim e beba. A água que Eu lhes darei se tornará fonte de vida eterna.

Lentamente fomos nos aproximando da gruta onde Santa Bernadete recebeu a visita da Mãe de Deus. Que espetáculo imponente, inesperado! A gruta está encravada em um alto rochedo e tem um nicho natural em cuja base pousaram os pés da Santíssima Virgem. As grandes rochas de que é formada são de um tom cinza escuro, muito brilhante.

O artístico espírito francês soube dispor com bom gosto cada coisa dentro da gruta. Um altar para a celebração da SantaLOURDES RAE 14_PAN5.jpg Missa no centro. À esquerda, atrás de um cordão de isolamento, a grossa vertente da água milagrosa tão límpida e sonora, coberta por um cristal transparente que deixa ver as borbulhas vívidas do precioso líquido. Não é um fiozinho insignificante que corre, mas é um jorro, imagem imperfeita da magnanimidade de Maria. E à direita, finalmente, a grande rocha com o nicho, onde está a expressiva imagem da Virgem de Lourdes. Vestida com simplicidade, Ela tem a nobreza e distinção da Rainha do Céu, seus olhos se dirigem para cima, como a nos recordar mais uma vez que é para as alturas que devemos olhar. Saindo da gruta, à esquerda, há o velário, o local onde se queimam velas de todos os tamanhos. Mais adiante estão as famosas piscinas. Acima, a Via Crucis, e bem na frente o belo Rio Gave...

Desde 11 de fevereiro de 1858, a Santíssima Virgem vem derramando abundantíssimas graças nesse local. Como é sabido, essa boa Mãe apareceu a Santa Bernadete Soubirous, que então tinha apenas 14 anos. A família dessa jovem era dona de um moinho, mas acontecimentos adversos levaram-na a perder todos os seus bens e cair na mais extrema pobreza. Viu-se forçada a viver na antiga prisão de Lourdes, lugar úmido, escuro e inóspito.

Eventualmente seu pai conseguia algum trabalho, cujo pagamento mal dava para alimentar a numerosa família.
Por estar aos pés dos Pirineus, o inverno nesta região é muito rigoroso e Bernadete contraíra uma enfermidade pulmonar que a fazia sofrer muito.

Um acontecimento extraordinário mudou repentinamente sua vida. Saiu ela uma tarde para apanhar lenha, acompanhada de uma de suas irmãs e de uma prima. Tinham de cruzar o rio, pois do outro lado havia um pequeno bosque. Com a alegria e agilidade próprias da idade, suas companheiras descalçaram-se e, saltando sobre as pedras, chegaram rapidamente ao outro lado. Bernadete atrasou-se, indecisa sobre se deveria ou não meter-se na água fria. Foi neste momento que, levantando os olhos, viu uma senhora muito jovem que a chamava. Uma profunda paz a invadiu e durante o tempo em que a Senhora ali esteve falando com ela, manteve-se de joelhos. Quando suas companheiras retornaram, ela lentamente foi se dando conta do que se passara. Sua irmã e prima não tinham visto nada; a linda Senhora tinha aparecido apenas para ela.

Foi essa a primeira de uma série de 18 aparições nas quais a Santíssima Virgem não apenas transmitiu a essa jovem inocente uma mensagem pedindo oração e penitência pela conversão dos pecadores, mas inaugurou um verdadeiro manancial de graças e milagres. Depois da aparição de 11 de fevereiro, a Rainha do Céu voltou à gruta no dia 14 do mesmo mês, no dia 18 e a partir daí diariamente, com exceção dos dias 22 e 26, até 4 de março. Em 25 de março a Mãe de Deus fez sua 16ª visita a Bernadete, e por fim apareceu-lhe a 7 de abril e a 16 de julho. Suas palavras não foram muitas, mas têm tão profundo significado que vale a pena conhecê-las e meditá-las.

A Santíssima Virgem disse à jovem no dia 18 de fevereiro: .Você quer me fazer o favor de vir aqui durante 15 dias?. Na formulação tão amável do pedido, quantas lições se podem tirar: não é Ela uma rainha que pode dar ordens? Por que quis exprimir-se com tanta suavidade e fineza? O convite da graça é assim, suave, atraente, irresistível. Não é de admirar o comentário feito por várias pessoas, de que as aparições enobreceram a pobre camponesa.
Houve quem lhe perguntasse durante o processo eclesiástico como havia aprendido maneiras tão finas, ao que ela respondeu candidamente: .Foi com a Senhora...

- Eu não prometo fazê-la feliz neste mundo, mas no outro.

LOURDES_RAE 14_PAN3.jpgApesar do tom suave e profundamente maternal, a Santíssima Virgem não lhe escondeu as pesadas cruzes que Bernadete teria de carregar nesta vida. Mas prometeu- lhe o Céu.

- Eu quero que venha aqui muita gente.. Aí está a confirmação do convite individual que cada um recebe para aproximar-se d.Ela. O vir aqui é não só ir a Lourdes, mas, antes de tudo, ir até Ela. É um convite para toda a humanidade; ir até Maria para se santificar.

Durante o tempo das quinze aparições, Nossa Senhora disse a Santa Bernadete: .Você rezará pelos pecadores: você beijará a terra pelos pecadores.(...) Penitência, penitência, penitência!. Beijar a terra significa humilhar-se.

- Vá e diga aos padres que construam aqui uma capela.

(...) Quero que todos venham em procissão.. Este pedido da Mãe de Deus foi belamente atendido, já que foi aí construído o grandioso santuário que continuamente está cheio de fiéis de todas as nações. Nas suas diversas naves e capelas são celebradas diariamente, em média, cinqüenta e duas Missas, em mais de seis línguas. Assim também, desde o início de março até o fim de novembro, há duas procissões diárias. Uma à tarde, com o Santíssimo Sacramento, dignamente levado sob um lindo pálio.

Ao passar pelos numerosos enfermos colocados em macas e atendidos por voluntários, o sacerdote se detém e lhes dá a bênção eucarística. À noite, reúnem-se todos os peregrinos e se realiza a procissão das velas. Desta tomam parte também os enfermos. Em macas ou cadeiras de roda vão constituindo um impressionante batalhão de sofredores, que abre a procissão. Todos os peregrinos levam uma vela acesa envolta em bem-feitas capelinhas de papel. Seguindo a Imagem de Nossa Senhora de Lourdes, os fiéis percorrem a grande esplanada do Santuário. O Rosário é puxado pelos sacerdotes e cada dezena é rezada em um idioma diferente: português, inglês, italiano, japonês, chinês, ucraniano, malayalam, etc... O Glória ao Pai é rezado em latim e canta-se a famosa. Ave, Ave, Ave Maria.... enquanto todos levantam para o alto as velas acesas. Durante o dia os peregrinos que queiram podem inscrever-se para tomar parte na recitação do Rosário na sua própria língua.

A Santíssima Virgem manifestou-se a Santa Bernadete no dia 25 de março declarando: .Eu sou a Imaculada Conceição!. Dizendo isto, dizia tudo. Foi como uma assinatura da Virgem às suas aparições em Lourdes.LOURDES_RAE 14_PAN2.jpg

Os milagres realizados aí sempre foram tão numerosos e extraordinários que as autoridades eclesiásticas constituíram um Bureau franqueado a médicos das mais diversas religiões, e até ateus, no qual são examinados os doentes que, ao chegar ou sair, o solicitarem. Os critérios adotados nos exames são muito rigorosos. Continuamente há casos para os quais a ciência não encontra explicação. Mas, para que uma cura seja reconhecida como milagrosa, a autoridade eclesiástica costuma aguardar anos, a fim de comprovar que o resultado foi duradouro.

A basílica superior tem suas altas e longas paredes recobertas de placas de mármore com inscrições agradecendo graças e favores. Há também tantos corações de ouro ofertados à Virgem Maria como reconhecimento, que alguém teve a feliz idéia de formar com eles as palavras pronunciadas por Maria nas aparições. Nota-se um intenso clima de piedade nessa igreja.

É interessante observar que essas aparições da Virgem fazem parte de um ciclo de manifestações proféticas que visavam fazer com que a humanidade se voltasse para Maria, como meio de abandonar as vias da impureza e do orgulho pelas quais havia infelizmente entrado, e assim voltar-se a Jesus.

Apareceu essa incomparável Mãe também a Santa Catarina Labouré em 1830, na Rue du Bac, em Paris, onde pediu que se cunhasse a Medalha Milagrosa. Em l858 manifesta-se em Lourdes. Em 1917 apareceu aos três pastorzinhos em Fátima. São três aparições que contêm como elemento central um chamado à conversão e a promessa de graças excepcionais para a humanidade, abrindo uma era de misericórdia mariana nunca manifestada antes.

A consideração desse panorama cheio de promessas e de esperança deve fortalecer os laços que nos unem à Mãe de Deus e nos levar a esperar o futuro com entusiasmada confiança.

(Revista Arautos do Evangelho, Fev/2003, n. 14, p. 48 a 51)

Votar Resultado 1  Votos

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.
  Dom de Sabedoria