Cardeal Bertone analisa a encíclica no senado italiano
Acesse sua conta Login
Faça parte Cadastrese!
Arautos do Evangelho
Arautos Podcast contato Contato Rezem por mim
  Livro Dr Plinio de Mons João Clá

Cardeal Bertone analisa a encíclica no senado italiano
Agência Gaudium Press - 2009/07/30

 

Bertone ----------88012P.jpg
Cardeal Tarciso Bertone, Secretário de Estado
(www.santibeati.it)
Roma (Quarta, 29-07-2009, Gaudium Press)   "Ao novo milênio que se abriu sob o signo da palavra ‘crise', a encíclica propõe um vocabulário vasto, um ‘léxico de paz' cadenciado pela palavra ‘esperança'. Assim foi apresentada a encíclica "Caritas in Veritate", mais recente de Bento XVI por Renato Schifani, presidente do Senado italiano. Schifani foi o primeiro a discursar, ontem, na apresentação da primeira encíclica social do Papa no Senado.

A obra foi analisada na casa legislativa italiana também pelo cardeal Tarciso Bertone, secretário de Estado do Vaticano. O convite foi feito pelo próprio presidente da Camera Superiore. Políticos italianos de diversas esferas federais estiveram presentes na sessão para escutar do que se trata a obra e como, segundo Bertone, ela pode ser aplicada no âmbito político.

O encontro aconteceu na Sala Capitolare do Palazzo Madama, na Praça Minerva, em Roma, mesmo local onde em 13 de maio de 2004 o então cardeal Joseph Ratzinger proferiu um discurso catedrático sobre o continente Europeu, "Europa, os seus fundamentos espirituais ontem, hoje e amanhã".

"Podemos afirmar que, de alguma forma, a encíclica abre o novo milênio após um período prolongado de "crise", se projeta em direção a um "tempo novo", e é também ocasião para repensar a economia do mundo global, para procurar novas regras em uma sociedade em profunda transformação", afirmou em seu discurso o senador Schifani.

O presidente do Senado ponderou que a política não deve ser feita "de cima", mas deve estar balizada no "juízo da razão, que é a mãe do direito". O senador pediu por uma "política do ‘sim' à confiança na recuperação, à retomada de uma imagem alta e nobre da política, ao sentido do Estado vivido como valor irrenunciável, ao crescimento da economia e à uma nova aliança entre empresas e trabalhadores". De acordo com ele, no entanto, é necessário cultivar também a política do "‘não', não à corrupção, à máfia, à chantagem ignóbil do agiota, às várias formas de escravidão e abuso do homem".

Para Schifani, a "Caritas in Veritate" responde às teorias sobre capitalismo "com uma proposta e ao mesmo tempo uma provocação", e que esta provocação "é a resposta para a crise, é a provocação de uma verdade, é prática".

Rebato Schifani lembrou que "à pobreza se deve responder não somente com uma riqueza do tipo material, o dinheiro, mas também com uma riqueza que se realiza antes de tudo em uma disponibilidade para dividir tempo, alegrias e sofrimentos com quem está ao nosso lado, sobretudo nos momentos de maiores dificuldade e dor", finalizou o presidente do Senado.

Bertone

O cardeal Tarciso Bertone começou sua análise sobre a encíclica recordando o tema da lei natural, levantado alguns meses atrás pelo documento da Comissão Teológica Internacional sob o tema "À pesquisa de uma ética universal: novo olhar sobre a lei natural". Segundo ele, a lei natural ajuda a entender a natureza do homem e os seus direitos humanos.

"São considerações que valem não só para os direitos do homem, mas para toda intervenção da autoridade legítima chamada a regular, segundo uma verdadeira justiça, a vida da comunidade mediante leis que não são fruto de um mero entendimento convencional, mas que miram no autêntico bem da pessoa e da sociedade".

Segundo o purpurado, a encíclica do Papa possibilita que se avance sobre o que ele considera uma "dicotomia entre a esfera econômica e a esfera social". Bertone observa que a "Caritas in Veritate" não tem um alcance apenas entre os fiéis católicos, nem propõe uma ideologia nova, mas baseia-se em "realidades antropológicas fundamentais", como a verdade e a caridade.

"O agir econômico não é algo de estranho ou alheio aos princípios da doutrina social da Igreja, que são a centralidade da pessoa humana, a solidariedade, a subsidiariedade, o bem comum", pondera Bertone sobre a posição da encíclica e da Igreja. Ele esclarece que a Igreja não é contra o capitalismo, mas, ao contrário, "a doutrina social da Igreja nos recorda que uma boa sociedade é fruto certamente do mercado e da liberdade, ainda que existam exigências, reconduzíveis ao princípio da fraternidade, que não podem ser apagadas, nem restritas à mera esfera privada ou à filantropia".

"A ‘Caritas in Veritate' nos ajuda a compreender que a sociedade não é capaz de um futuro se o princípio de fraternidade se dissolve; não é assim capaz de progredir se existe e se desenvolve somente a lógica do ‘dar para ter', ou do ‘dar para dever'. Isso porque, nem a visão liberal-individualista do mundo nem a visão estatocêntrica da sociedade são guias seguros para nos fazer sair dos pântanos nos quais as nossas sociedades estão hoje afundadas", concluiu Bertone.

 

Votar Resultado 2  Votos

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.
  Dom de Sabedoria