Fé em Deus, divina certeza
Acesse sua conta Login
Faça parte Cadastrese!
Arautos do Evangelho
Arautos Podcast contato Contato Rezem por mim
  Livro Dr Plinio de Mons João Clá

Fé em Deus, divina certeza
Redação - 2015/05/19

A insuperável Pessoa de Nosso Senhor Jesus Cristo é envolta em mistérios, a começar por existir n'Ele, com toda integridade, duas naturezas: a divina e a humana.

Jesus, como Homem, possui o conhecimento experimental (cf. Lc 2, 52): aquele construído de modo progressivo, com base na experiência. N'Ele, contudo, este conhecimento é incomparavelmente mais rico e profundo, pela altíssima perfeição daCoração de Jesus - Paróquia Escolapios - Madrid..jpginteligência, dos sentidos e dos excelsos dons de que é dotada sua natureza (cf. Col 2, 3). Ora, a este excelente conhecimento, se soma a ciência infusa: o conhecimento de todas as coisas, infundido na sua Alma humana desde o primeiro instante de sua criação.

Ambos os conhecimentos são ainda completados pela visão beatífica: a Alma de Jesus foi criada já na perfeita e definitiva visão de Deus, que Ele nunca perdeu, nem mesmo durante sua Paixão. Por ela, Cristo-Homem conhecia todas as coisas - passadas, presentes e futuras - em seus mínimos aspectos, como o próprio Deus as vê e conhece desde toda a eternidade.

E estes três altíssimos conhecimentos - concedidos à natureza humana de Jesus - são coroados pela ciência divina, incomparavelmente superior às demais, e entretanto própria à Pessoa d'Ele, em virtude de sua natureza divina hipostaticamente unida à humana.

Logo, assim como o vigia, vendo a terra ao longe do alto do mastro, não participa da insegurança dos que estão no tombadilho a respeito do bom rumo do barco, Cristo contemplou enquanto Homem, e desde o primeiro instante da criação de sua Alma, não apenas o triunfo final e estrondoso do Bem (cf. Ap 11, 15?18), mas também a vitória da Igreja em cada era histórica, e até em cada pequeno episódio da luta entre o bem e o mal (cf. Gn 3, 15). Portanto, nunca pôde existir em Nosso Senhor a menor fímbria de insegurança; n'Ele só havia certeza, absoluta e total. O que para nós é fé, para Ele é visão!

Nós homens, sim, estamos sujeitos às incertezas da vida. E é pela fé em Jesus e na Revelação - "fundamento da esperança" e "certeza a respeito do que não se vê" (Hb 11, 1) -, que nos é dado participar daquela certeza desde sempre existente em Cristo, triunfo dos humildes e força dos fracos (cf. Fl 4, 13), a única na qual se podem encontrar, neste mundo, a verdadeira paz e segurança.

O demônio, rejeitando a Deus, tornou-se de todo carente de fé, transformando-se assim, de anjo de luz, num ser - além de abjeto - supremamente inseguro, incerto e inquieto.

A nós é dado optar entre a segurança que nos vem da fé em Nosso Senhor, e a pseudossegurança enganosa oferecida pelas ilusórias promessas do "príncipe deste mundo" (Jo 16, 11) que, de falsa vitória em verdadeira ruína, é vencido sucessivas vezes por Deus, até terminar como o eterno derrotado. (Revista Arautos do Evangelho, Maio/2015, n. 161, p 5)

Votar Resultado 1  Votos

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.
  Dom de Sabedoria