Tomai ânimo, não temais!
Acesse sua conta Login
Faça parte Cadastrese!
Arautos do Evangelho
Arautos Podcast contato Contato Rezem por mim
  Livro Dr Plinio de Mons João Clá

Tomai ânimo, não temais!
Redação - 2015/11/30

É certamente alarmante, muito alarmante, não o fato de existir o mal que sempre existiu, mas o de ver e sentir o fogo do vício exaltado e glorificado...

Cardeal Norberto Rivera Carrera.jpgCardeal Norberto Rivera Carrera
Arcebispo Primaz do México

Um dos mais importantes sinais messiânicos, anunciado poeticamente por Isaías na primeira leitura de hoje, é a esperança; a esperança daqueles que estão encadeados pelas trevas, pelo silêncio e pela paralisia: "Tomai ânimo, não temais! Eis o vosso Deus! Ele vem executar a vingança. Então se abrirão os olhos do cego e se desimpedirão os ouvidos dos surdos; então o coxo saltará como um cervo, e a língua do mudo dará gritos alegres" (Is 35, 4-6).

E Jesus realizou o que anunciara o profeta, como acabamos de ouvir na leitura do Evangelho: quando Lhe apresentaram um homem surdo-mudo, Ele "levantou os olhos ao Céu, deu um suspiro e disse: ‘Éfeta!', que quer dizer ‘Abre-te!'. No mesmo instante os ouvidos se lhe abriram, a prisão da língua se lhe desfez e ele falava perfeitamente" (Mc 7, 34-35).

É muito alarmante ver o vício exaltado e glorificado

É verdade que onde estiver o homem haverá sempre erros, maldades, aberrações, pois estamos feridos pelo pecado. Entretanto, é igualmente certo que, se não se cuidar da consciência moral dos seres humanos, o mal se multiplicará em todos os sentidos. Mais ainda, quando o programa ideológico-moral que se propaga ou se impõe é radicalmente contrário aos direitos humanos fundamentais, perde-se a base para uma autêntica convivência humana. Se os valores básicos são defraudados, com que autoridade pode-se difundir ou exigir os valores ­humanos que tornem possível a dignificação das futuras gerações?

Jesus cura o surdo-mudo..jpg
Necessitamos de Jesus para iluminar nossos
olhos, abrir nossos ouvidos, soltar nossa
língua e fortalecer nossos pés

Jesus cura o surdo-mudo - Biblioteca do Mosteiro
de Yuso, São Millán de la Cogolla (Espanha)

Todos nós somos destinatários das notícias que patenteiam o pouco valor atribuído à vida humana e a normalidade com que se ouvem e se ­veem as cenas de maus tratos, de violências, de assassinatos e todo tipo de injustiças, de impunidade e de glorificação do delito, que estendem seus tentáculos em todas as direções e atingem todos os extremos. Investigam-se as causas do que está acontecendo, e saímos pela tangente. Custa muito pôr o dedo na raiz dos problemas, desses gravíssimos problemas de vida e de convivência.

A perda da consciência do mal é o princípio e fundamento do triunfo e da difusão de todo tipo de maldades. Não é possível lutar contra o mal quando dele não se tem consciência, menos ainda quando a confusão chega ao extremo de confundir o bom com o mau e o verdadeiro com o falso. É impossível proclamar valores quando se diz que tudo é relativo. Agrava-se a situação quando se silenciam ou se perseguem a verdade e o bem, e se proclamam e exaltam a mentira e a maldade.

É certamente alarmante, muito alarmante, não o fato de existir o mal que sempre existiu, mas o de ver e sentir o fogo do vício exaltado e glorificado... Por isso nós, homens e mulheres de nosso tempo, damos voltas dentro do fogo, assistindo à nossa autocremação, sem poder sair porque não sabemos onde está a porta: a recuperação da consciência, a restauração do senso do pecado. Estamos cegos, surdos, mudos e paralíticos. Necessitamos de Jesus para iluminar nossos olhos, abrir nossos ouvidos, soltar nossa língua e fortalecer nossos pés.

Sem Cristo, o homem não tem futuro

Disse alguém, com toda razão, que "o homem não tem futuro sem Cristo". Cristo é a Verdade, a Vida, o Caminho; devemos dizer e repetir isto, convencidos de que proclamar nossa Fé não é de forma alguma intolerância nem falta de apreço pela fé dos demais. A cultura do Evangelho é a cultura da verdade, da vida, da justiça, da fraternidade, da doação generosa e desinteressada em favor dos demais. Cristo é o criador do grande sulco do perdão no seu mais elevado grau. Cristo conhecido, seguido, imitado, feito consciência própria dentro do homem, eis a única solução. Esta selva de asfalto da grande cidade pode mudar, e mudará certamente, se decidirmos abrir a Jesus Cristo as portas de nosso coração.

O trecho do Evangelho que hoje ouvimos (Mc 7, 31-37) mostra-nos como aquele homem, acompanhado por seus familiares, junto com eles, experimenta uma radical mudança em sua vida. Após seu encontro com Jesus, ele já não é o mesmo: seus ouvidos se abriram, destravou-se sua língua, começou a falar sem dificuldade. Deu-lhe Jesus capacidade para escutar a Palavra e poder assim descobrir em sua vida o projeto de Deus. Soltou-lhe a língua e ele pôde proclamar, junto com muitos outros, que Jesus "fez bem todas as coisas. Fez ouvir os surdos e falar os mudos!" (Mc 7, 37). Recordemos o que nos disse no Estádio Asteca o Papa São João Paulo II: "O ideal que Jesus Cristo vos propõe e ensina com a sua vida é sem dúvida muito nobre, mas é o único que pode dar plenamente sentido à vida" (Discurso, 25/1/1999). Vocês se encontraram com Jesus Cristo, já não podem continuar surdos à voz do Senhor; já não estão mudos, vão e convidem os outros, dizendo-lhes: "Venham e comprovem como é bom o Senhor!"  (Homilia pronunciada em 6/9/2015, na Catedral Metropolitana - Texto original em www.arquidiocesismexico.org.mx) - Revista Arautos do Evangelho, Novembro/2015, n.167, pp. 38-39.

Votar Resultado 5  Votos

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.
  Dom de Sabedoria