Joia... ou relíquia?
Acesse sua conta Login
Faça parte Cadastrese!
Arautos do Evangelho
Arautos Podcast contato Contato Rezem por mim
  Livro Dr Plinio de Mons João Clá

Joia... ou relíquia?
Ir. Adriana María Sánchez García, EP - 2016/02/15

Tiago não se impressionou com o cândido relato da criança. Com um gesto violento, arrancou-lhe a Cruz das mãos enquanto vociferava: "Isto aqui é de seu pai!".

Ir. Adriana María Sánchez García, EP

A guerra terminara havia alguns anos, mas tudo ainda era desolação! Casas e igrejas, que ninguém resolvera reconstruir, encontravam-se reduzidas a ruínas, quer por falta de recursos, quer por falta de piedade.

Nos arredores da cidade, dois homens trabalhavam no campo. O Sol da tarde os abrasava e, em meio às fadigas da labuta, um deles, Everaldo, desabafa:

img1..jpg
"Veja só o que achei! Com este ouro e estas
pedras, logo sairemos da pobreza..."

- Uf! Desde que acabou a guerra é sempre a mesma coisa: colher espigas de trigo e jogá-las na carreta; cortar uvas e colocá-las no cesto, com cuidado! Não aguento mais! Se ao menos nos pagassem melhor...

O outro, Tiago, com o rosto banhado pelo suor, apenas suspira, pois o cansaço não lhe permite sequer balbuciar palavras.

Continuaram seu labor e, de repente, uma das foices bate em algo, ecoando sonoramente:

- Cling!!...

- Que foi isso?! - pergunta Tiago, levantando a cabeça.

- Bah! Acaso pensas que poderia haver algo interessante por aqui? Deixa para lá...

Tiago, no entanto, ficou com aquele "Cling!" rodando na cabeça e pensava consigo, deleitando-se: "Era barulho de metal. Não será algo valioso? Quiçá... feito em ouro?! Se eu o encontrasse poderia vendê-lo... E me tornaria rico!".

Ao cair da tarde, ele e os companheiros apresentaram-se ao patrão para receber o salário da jornada e se dispersaram. Quando já estavam longe, Tiago, dissimulando, voltou ao local onde ouvira o ruído. Com a foice na mão tentava achá-lo de novo, mas em vão. Passava o tempo e nada! Até que, afinal, um golpe duro e seco fez soar outra vez:

- Cling!!...

Cavando com as próprias mãos, desenterrou um objeto metálico, ocultou-o apressadamente num trapo sujo e saiu correndo para casa.

Já era plena noite quando chegou. Aproveitando que a esposa e o filho dormiam, estendeu o pano sobre a mesa e, tremendo, desembrulhou o misterioso objeto: uma cruz!

- Que decepção! - disse baixinho - Tanto trabalho para isto...

Não obstante, ao retirar a terra incrustada, seus olhos não podiam acreditar no que viam. Era um relicário de ouro, ornado de prata, pedras preciosas e pérolas. E tinha no seu interior algo muito mais valioso do que todas estas joias: um fragmento do Santo Lenho, a própria Cruz de Jesus!

O pobre Tiago, porém, estava cego de espírito! A avareza e o egoísmo lhe fecharam o coração para as coisas de Deus, a ponto de não se dar conta do enorme tesouro que levava nas mãos!

- Ah! Veja só o que achei! - exclamou contente - Com este ouro e estas pedras, logo sairemos da pobreza!

Envolveu o relicário no pano, escondeu-o na lareira e foi deitar-se risonho, desfrutando antecipadamente da tão desejada fortuna.

Sem embargo, antes do amanhecer...

- Tiago, Tiago! Fernando desapareceu! - chorava Elvira desesperada, enquanto sacudia seu esposo para despertá-lo.

- Não brinque... Deixe-me descansar! Ontem foi um dia muito duro!

- Não! Já procurei pela casa inteira, nosso filho desapareceu!

Tiago levantou-se e, antes de sair, teve um pressentimento. Aproximou-se da lareira, deslizou a mão pelo esconderijo e... estava vazio!

- Onde está a Cruz?! - sussurrou entre dentes.

- Cruz? Tu, procurando uma cruz? - replicou a esposa, surpreendida.

Nisso, o pequeno Fernando entra inesperadamente. Tinha-se despertado no meio da noite, e estava tão lindo e luminoso o luar que decidira sair para passear um pouco. Atraído por um suave resplendor, adentrou-se no bosque e achou a bela Cruz dourada que, radiante de felicidade, mostrava a seus progenitores.

Tiago não se impressionou com o cândido relato da criança. Com um gesto violento, arrancou-lhe a Cruz das mãos, enquanto vociferava:

- Isto aqui é de seu pai! E você fica proibido de comentar o acontecido! Nem com a prima Marta, está ouvindo?

Elvira e o menino não ousaram retrucar... Mas a notícia do que sucedera espalhou-se pelos arredores sem ninguém saber como. Em pouco tempo começaram a acorrer ao local camponeses, desejando ver o Santo Lenho que Tiago já não mais conseguia ocultar.

A notícia chegou ao mosteiro. O abade, assim que soube do fato, também se dirigiu à casa de Tiago. Ao chegar, tomou a Cruz com adoração e reverência, osculou-a, mostrou-a aos presentes, silenciosos e recolhidos, e com ela os abençoou.

- Esta relíquia do Santo Lenho - disse com emoção - é o mais valioso tesouro do nosso mosteiro! Durante a guerra a emprestamos aos soldados do conde, para que a levassem à frente do batalhão na última batalha, que foi a decisiva: com ela terminou o conflito. Todavia, a relíquia se perdera na mêlée da luta e, por mais que a procurássemos, nunca mais conseguimos achá-la!

img2...jpg
O Santo Lenho foi conduzido em procissão pelo
Abade, à igreja do mosteiro

Tiago assistia à cena dando mostras de cólera e revolta, a princípio. Entretanto, seu semblante foi mudando aos poucos e, para espanto de todos, caiu de joelhos reconhecendo sua falta, entre lágrimas copiosas.

O Santo Lenho foi conduzido em procissão à igreja do mosteiro e posto em seu nicho, aos pés de Nosso Senhor Morto. A cada semana o número de fiéis que afluíam para adorar a Santa Cruz aumentava. E, a partir daquele momento, os habitantes da região foram se tornando mais fervorosos.

O ambiente no campo agora mudara radicalmente. A pouca distância da abadia, Everaldo e Tiago continuavam o duro trabalho, contudo sua conversa passou a ser bem diferente:

- Pensa que cada espiga colhida e cada cacho de uva cortado é nossa oferenda para Deus! - dizia Everaldo - Com eles se fazem as hóstias e o vinho usado na Missa, pelos monges!

- É uma honra para nós! E como nossa tarefa se torna mais leve quando pensamos nisto! - era a resposta de Tiago.

O pai de Fernando não era mais a mesma pessoa. Jamais faltava à Missa aos domingos, confessava-se com frequência e, ao terminar sua jornada, por muito cansado que estivesse, nunca deixava de rezar brevemente diante da relíquia do Santo Lenho. Graças a ela havia aprendido a enfrentar com alegria e generosidade as dificuldades cotidianas, seguindo as pegadas de quem, carregando a Cruz a caminho do Calvário, tudo oferecera para a nossa salvação. (Revista Arautos do Evangelho, Fevereiro/2016, n. 170, p. 46-47).

Votar Resultado 5  Votos

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.
  Dom de Sabedoria