Domingo, 22 de Outubro de 2017.

Santo do dia: São Donato Scoto, Bispo
Cor litúrgica: verde

Evangelho do dia: São Mateus 22, 15-21

Primeira leitura: Isaías 45, 1.4-6
Leitura do Livro do Profeta Isaías:

1Isto diz o Senhor sobre Ciro, seu Ungido: 'Tomei-o pela mão para submeter os povos ao seu domínio, dobrar o orgulho dos reis, abrir todas as portas à sua marcha, e para não deixar trancar os portões. 4Por causa de meu servo Jacó, e de meu eleito Israel, chamei-te pelo nome; reservei-te, e não me reconheceste. 5Eu sou o Senhor, não existe outro: fora de mim não há deus. Armei-te guerreiro, sem me reconheceres, 6para que todos saibam, do oriente ao ocidente, que fora de mim outro não existe. Eu sou o Senhor, não há outro.

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

Salmo 95 (96)

- Cantai ao Senhor Deus um canto novo, cantai ao Senhor Deus, ó terra inteira! manifestai a sua glória entre as nações, e entre os povos do universo seus prodígios!

R: Ó família das nações, dai ao Senhor poder e glória!

- Pois Deus é grande e muito digno de louvor, é mais terrível e maior que os outros deuses, porque um nada sóo os deuses dos pagãos. Foi o Senhor e nosso Deus quem fez os céus.

R: Ó família das nações, dai ao Senhor poder e glória!

- Ó família das nações, dai ao Senhor, ó nações, dai ao Senhor poder e glória, dai-lhe a glória que é devida ao seu nome! Oferecei um sacrifício nos seus átrios.

R: Ó família das nações, dai ao Senhor poder e glória!

- Adorai-o no esplendor da santidade, terra inteira, estremecei diante dele! Publicai entre as nações: 'Reina o Senhor!' pois os povos ele julga com justiça.

R: Ó família das nações, dai ao Senhor poder e glória!

Segunda leitura: Tessalonicenses 1, 1-5
Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Tessalonicenses:

1Paulo, Silvano e Timóteo, à igreja dos tessalonicenses, reunida em Deus Pai e no Senhor Jesus Cristo: a vós, graça e paz! 2Damos graças a Deus por todos vós, lembrando-vos sempre em nossas orações. 3Diante de Deus, nosso Pai, recordamos sem cessar a atuação da vossa fé, o esforço da vossa caridade e a firmeza da vossa esperança em nosso Senhor Jesus Cristo. 4Sabemos, irmãos amados por Deus, que sois do número dos escolhidos. 5bPorque o nosso evangelho não chegou até vós somente por meio de palavras, mas também mediante a força que é o Espírito Santo; e isso, com toda a abundância.

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 22, 15-21

- Aleluia, Aleluia, Aleluia!
- Como astros no mundo, vós resplandeçais, mensagem de vida ao mundo anunciando; da vida a Palavra, com fé, proclameis, quais astros luzentes no mundo brilheis (Fl 2,15s);

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus:

Naquele tempo: 15Os fariseus fizeram um plano para apanhar Jesus em alguma palavra. 16Então mandaram os seus discípulos, junto com alguns do partido de Herodes, para dizerem a Jesus: 'Mestre, sabemos que és verdadeiro e que, de fato, ensinas o caminho de Deus. Não te deixas influenciar pela opinião dos outros, pois não julgas um homem pelas aparências. 17Dize-nos, pois, o que pensas: É lícito ou não pagar imposto a César?' 18Jesus percebeu a maldade deles e disse: 'Hipócritas! Por que me preparais uma armadilha? 19Mostrai-me a moeda do imposto!' Trouxeram-lhe então a moeda. 20E Jesus disse: 'De quem é a figura e a inscrição desta moeda?' 21Eles responderam: 'De César.' Jesus então lhes disse: 'Dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus.'

- Palavra da Salvação
- Glória a Vós, Senhor

Comentário do dia por São Lourenço de Brindisi
Capuchinho, Doutor da Igreja 

Sermão para o 22º Domingo depois de Pentecostes 

Ser realmente uma imagem de Deus

«Então, dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus». É preciso dar a cada um o que lhe pertence. Eis uma palavra verdadeiramente cheia de sabedoria e de ciência celestial. Porque nos ensina que há duas espécies de poder: um humano e terreno, outro divino e celeste. [...] Ensina-nos que devemos estar sujeitos a uma dupla obediência: às leis dos homens e às leis divinas. [...] Temos de pagar a César a moeda que tem a efígie e a inscrição de César, e a Deus o que recebeu o sinete da imagem e semelhança divinas: «Resplandeça sobre nós, Senhor, a luz da tua face!» A luz da tua face deixou em nós a tua marca, Senhor (Sl 4,7). 

Fomos criados à imagem e semelhança de Deus (cf Gn 1,26). Tu és homem, ó cristão. És, portanto, moeda do tesouro divino, uma moeda que tem a efígie e a inscrição do Imperador divino. Assim, pergunto com Cristo: «De quem é esta imagem e esta inscrição?» Tu respondes: «De Deus». E eu digo-te: «Então porque não dás a Deus o que é de Deus?» 

Se queremos realmente ser imagem de Deus, devemos assemelhar-nos a Cristo, pois Ele é a imagem da bondade de Deus e «imagem fiel da sua substância» (Heb 1,3). E Deus, «àqueles que Ele de antemão conheceu, também os predestinou para serem uma imagem idêntica à do seu Filho» (Rom 8,29). Cristo deu verdadeiramente a César o que era de César e a Deus o que era de Deus. Ele observou da maneira mais perfeita os preceitos contidos nas duas tábuas da lei divina, «tornando-Se obediente até à morte e morte de cruz» (Fil 2,8), e por isso foi elevado ao mais alto grau de todas as virtudes visíveis e invisíveis.