Camboja: renasce das cinzas uma Igreja perseguida, martirizada
Acesse sua conta Login
Faça parte Cadastrese!
Arautos do Evangelho
Arautos Podcast contato Contato Rezem por mim
  Livro Dr Plinio de Mons João Clá

Camboja: renasce das cinzas uma Igreja perseguida, martirizada
Gaudium Press - 2016/11/09

Roma - Itália (Quarta-feira, 09-11-2016, Gaudium Press) Há 40 anos, um dos maiores genocídios da história moderna foi cometido no Camboja.

Depois de uma longa guerra suja, os guerrilheiros "kmers vermelhos" dominaram o país e impuseram sua ideologia a toda a população que, repentinamente, ficou paralisada.

De cada três homens, um foi assassinado. A quarta parte da população do pais foi dizimada. Bastava não demonstrar entusiasmo para com a nova situação estabelecida para que o castigo fosse a morte.

Em quatro anos, debaixo das ordens do tirano Pol Pot, o regime comunista acabou com a vida de um milhão e setecentas mil pessoas.

Com as perseguições e mortes de sua revolução cultural, Pol Pet e os fanáticos do Kmer Vermelho, praticamente, exterminaram os católicos do país, destruíram os movimentos religiosos, procurando aniquilar a Igreja cambojana.

Testemunho de um Bispo

Dom Enrique Figaredo, Bispo de Battambang, no Camboja, oferece seu testemunho:

"A guerra, a revolução de Pol Pot levou tudo de roldão: os bispos, os sacerdotes, as religiosas, os catequistas.
A comunidade católica ficou reduzida a nada. Muitos dos católicos que sobreviveram não tinham esperança de que no Camboja pudesse ainda haver paz e hoje vivem nos Estados Unidos, França, Japão. Foram muito poucos os que restaram".

Dom Enrique Figaredo chegou ao Camboja pouco tempo depois desses acontecimentos e ainda encontrou um país espedaçado por aquela situação imposta de modo brutal.

Nos anos 70, ainda antes dos comunistas tomarem o poder, os católicos chegavam ao número de 170.000 em todo o país.
Depois das perseguições do regime despótico de Pol Pot, restaram apenas poucos milhares de católicos.

"Quando chegamos, a comunidade estava totalmente dispersa.
Já nos campos de refugiados começou o trabalho. Um trabalho muito bonito: com a repatriação criamos comunidades novas com os refugiados que retornavam.

Quando fui nomeado prefeito apostólico, tínhamos 14 comunidades. Agora temos 28 que são muito mais numerosas e com um trabalho muito maior", relembra Dom Figaredo.

A comunidade católica cresce em ritmo lento, mas seguro. Torna-se uma esperança e um alento: Ela vem demonstrando que, depois da perseguição e do martírio, a Igreja pode renascer de suas próprias cinzas. (JSG)

Votar Resultado 0  Votos

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.
  Dom de Sabedoria