Na Casa Santa Marta, Pontífice aconselha a não resistir às graças de Deus
Acesse sua conta Login
Faça parte Cadastrese!
Arautos do Evangelho
Arautos Podcast contato Contato Rezem por mim
  Livro Dr Plinio de Mons João Clá

Na Casa Santa Marta, Pontífice aconselha a não resistir às graças de Deus
Gaudium Press - 2016/12/01

Cidade do Vaticano (Quinta-feira, 01-12-2016, Gaudium Press) Na exortação do Papa Francisco ao longo da Missa celebrada na Casa Santa Marta, o tema refletido pelos fiéis foram as resistências à graça de Deus.

 Na Casa Santa Marta, Pontífice aconselha a não resistir às graças de Deus.jpg

Segundo o Pontífice, é preciso encontrar essas resistências e pedir ajuda a Deus, a fim de reconhecermo-nos como pecadores.

Logo no início de sua homilia, o Papa pronunciou uma frase da oração da coleta: "Que a tua graça vença as resistências do pecado". Em seguida, concentrou-se sobre as resistências na vida cristã.

De acordo com o Santo Padre, "as resistências escondidas" são as mais perigosas, porque são as que não se mostram. "Cada um de nós tem o próprio estilo de resistência escondida à graça", disse. Contudo, é necessário localizá-las e colocá-las diante de Deus, para que Ele nos purifique.

"Mas essas resistências escondidas, que todos temos, como são? Sempre vêm para deter um processo de conversão. Sempre! É deter, não é lutar contra. Não, não! É ficar parado; sorrir, talvez: mas você não passa. Resistir passivamente, de maneira escondida. Quando há um processo de mudança numa instituição, numa família, eu ouço dizer: ‘Há resistências ali' (...) Mas graças a Deus! Se não existissem, a coisa não seria de Deus. Quando há essas resistências é o diabo que as semeia ali, para que o Senhor não prossiga", declarou.

Ao comentar os três tipos de resistências escondidas, o Papa exemplificou uma delas, a das "palavras vazias", citando o Evangelho do dia, quando Jesus diz que nem todo mundo que disser "Senhor, Senhor" entrará no reino dos céus. Assim como na parábola dos dois filhos, quando o Pai os convida à vinha e um diz "não" e depois acaba indo, o outro diz "sim" e não aparece:

"Dizer sim, tudo sim, muito diplomaticamente; mas é ‘não, não, não'. Tantas palavras: ‘Sim, sim, sim; mudaremos tudo! Sim!', para não mudar nada, não? Ali está a camuflagem espiritual: os que tudo sim, mas que é tudo não. É a resistência das palavras vazias".

Depois, prosseguiu, existe a resistência "das palavras justificatórias", ou seja, quando uma pessoa se justifica continuamente.

Quando as justificações são muitas, "não há o bom cheiro de Deus", mas "existe o mau cheiro do diabo".

"O cristão não precisa se justificar", esclareceu Francisco. "Foi justificado pela Palavra de Deus". Trata-se de resistência das palavras "que buscam justificar a minha posição para não seguir aquilo que o Senhor nos indica", completou o Pontífice.
Por fim, a resistência "das palavras acusatórias" é resultante de quando se acusam os outros para não olhar para si mesmos e que não se necessita de conversão, o que faz com que a pessoa resista à graça.

"Digo-lhes para não ter medo quando cada um vocês, cada um de nós, vê que em seu coração existem resistências. Digam claramente ao Senhor: ‘Olha, Senhor, eu procuro cobrir isso, fazer aquilo para não deixar entrar a sua palavra. Senhor, com grande força, socorre-me. A sua graça vença as resistências do pecado'. As resistências são sempre um fruto do pecado original que nós levamos. É feio ter resistências? Não, é bonito! O feito é tomá-las como defesa da graça do Senhor. Ter resistência é normal. É dizer: Sou pecador, ajuda-me Senhor! Preparemo-nos com esta reflexão para o próximo Natal", lembrou o Papa. (LMI)

Da redação Gaudium Press, com informações Rádio Vaticano

Votar Resultado 0  Votos

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.
  Dom de Sabedoria